Qui18102018

Back Início Mundo Bíblico Escrituras Conheça, Explore e Reflita No Antigo Testamento O Tabernáculo

O Tabernáculo

o-tabernaculoO Tabernáculo, do hebraico משכן‎, mishkan, "residência" ou "lugar de habitação", foi construído cerca 1450 A.C e por quase 500 anos serviu como o lugar da habitação de Deus no meio do povo de Israel e também o local onde o povo de Israel pudesse ter comunhão com Ele.

O propósito de Deus para a edificação do tabernáculo, foi o seu desejo de habitar no meio de seu povo.

“E me farão um santuário, e habitarei no meio deles”. – Êxodo 25:8

Cada aspecto do Tabernáculo aponta para o plano da redenção do homem, traçado por Deus.

O povo só poderia se aproximar de Deus através do sangue expiatório e de um sacerdócio intercessor. Em Cristo nós temos o Sumo Sacerdote e o perfeito sangue para expiação dos pecados de todos aqueles que o reconhecem e que Nele confiam. O Tabernáculo é um tipifica Cristo.

E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.” – João 1:14

E ele lhes disse: Ó néscios, e tardos de coração para crer tudo o que os profetas disseram! Porventura não convinha que o Cristo padecesse estas coisas e entrasse na sua glória? E, começando por Moisés, e por todos os profetas, explicava-lhes o que dele se achava em todas as Escrituras.” – Lucas 24:25-27

“Eis que a virgem conceberá, e dará à luz um filho, E chamá-lo-ão pelo nome de Emanuel, que traduzido é: Deus conosco.” - Mateus 1:23

 - - 

Hoje podemos entrar com confiança na sala do trono pelo novo e vivo caminho que Jesus nos preparou, sacrificando-se por nós. O véu que separava foi rasgado e o acesso à presença de Deus aberto pelo sangue remidor de Jesus, o Cristo! A Ele a glória eternamente.

 

mgt signature ii

 

 

 

 

 

 

Marcos Teixeira

 


tenda

Definitivamente o tabernáculo foi concebido para ser um lugar de encontro e relacionamento entre Deus e os homens, também ficou conhecido como a "tenda da congregação" e era o ponto central da comunidade e da vida dos filhos de Israel onde as 12 tribos acampavam em torno de seus quatro lados.

tribos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A Leste, sob a bandeira do Leão, as tribos de Judá, Issacar e Zebulom (Nm 2.3-9);

A Oeste, sob a bandeira do Boi, as tribos de Efraim, Manasses e Benjamim(Nm 2.18-24);

Ao Norte, sob a bandeira da Águia, as tribos de Dã, Aser e Naftali(Nm 2.25-31);

Ao Sul, sob a bandeira do Homem, as tribos de Rúben, Simeão e Gade (Nm 2.10-16).

Os levitas ficavam em volta do tabernáculo e as famílias de Moisés e de Arão sempre acampavam ao leste, na frente da entrada. Mesmo na mudança, o tabernáculo permanecia central, com seis tribos na frente e seis tribos seguindo a trás.

 


 

levitas

Aos levitas Deus confiou o manuseio do tabernáculo e somente a eles Deus confiou à administração do tabernáculo.

“Faze chegar a tribo de Levi, e põe-na diante de Arão o sacerdote, para que o sirvam, e cumpram seus deveres para com ele e para com todo o povo, diante da tenda da congregação, para ministrar no tabernáculo.  Terão cuidado de todos os utensílios da tenda da congregação, e cumprirão o seu dever para com os filhos de Israel no ministrar no tabernáculo.” – Números 3:6-8

 

O Tabernáculo se manteve em uso durante todo o tempo que o povo de Israel ocupou Canaã, antes de Salomão.

Enquanto durou a conquista de Canaã, a arca permaneceu no campo em Gilgal. Depois de se estabelecerem na terra prometida, Josué levantou o tabernáculo em Silo, onde permaneceu em todo o tempo dos juízes.

“E Toda a congregação dos filhos de Israel se reuniu em Siló, e ali armaram a tenda da congregação, depois que a terra lhes foi sujeita.” – Josué 18:1

No período de Saul, esteve em Nobe.

Então o rei mandou chamar a Aimeleque, sacerdote, filho de Aitube, e a toda a casa de seu pai, os sacerdotes que estavam em Nobe; e todos eles vieram ao rei.” – I Samuel 22:11

 

E também em Gibeon.

“E foi o rei a Gibeom para lá sacrificar, porque aquele era o alto maior; mil holocaustos sacrificou Salomão naquele altar. E em Gibeom apareceu o Senhor a Salomão de noite em sonhos; e disse-lhe Deus: Pede o que queres que eu te dê.” – I Reis 3:4-5

 templo2

Depois que Salomão edificou o templo, segundo o modelo do tabernáculo, porém em mais largas proporções, tudo que havia no tabernáculo foi transferido pra ele.

“E trouxeram a arca do Senhor para cima, e o tabernáculo da congregação, juntamente com todos os objetos sagrados que havia no tabernáculo; assim os trouxeram para cima os sacerdotes e os levitas.” – I Reis 8:4

 

“E fizeram subir a arca, e a tenda da congregação, com todos os objetos.” – II Crônicas 5:5

 


 

construcao

O tabernáculo foi ideia, iniciativa e projeto de Deus, onde o próprio Deus foi o arquiteto, não o homem. Cada detalhe do todo, reflete a vontade divina e nada ficou para o homem decidir.

“Conforme a tudo o que eu te mostrar para modelo do tabernáculo, e para modelo de todos os seus pertences, assim mesmo o fareis.” – Êxodo 25:9

 

“Então Moisés chamou a Bezalel e a Aoliabe, e a todo o homem sábio de coração, em cujo coração o Senhor tinha dado sabedoria; a todo aquele a quem o seu coração moveu a se chegar à obra para fazê-la.” – Êxodo 26:2

De acordo com as medidas hebraicas, foram usados algo em torno de 862 Kg de ouro, 2923 Kg de prata e 2053 Kg de bronze na construção do tabernáculo. Independente do preço, tudo foi feito com arte primorosa e seus utensílios foram concedidos aos israelitas tanto para "glória" quanto para "beleza"

“E farás vestes sagradas a Arão teu irmão, para glória e ornamento.” – Êxodo 28:2

“Também farás túnicas aos filhos de Arão, e far-lhes-ás cintos; também lhes farás tiaras, para glória e ornamento.” – Êxodo 28:40

 


materiais

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deram os homens e as mulheres os braceletes, as arrecadas, os anéis e os ornatos dos braços; todos os vasos de ouro foram postos à parte para donativos do Senhor. Se algum tinha Jacinto, púrpura e escarlata, linho fino e pelos de cabra, peles de carneiro, metais de prata e de cobre, paus de cetim para vários usos, tudo ofereceram ao Senhor. Os príncipes ofereceram pedras preciosas para o éfode.

“E veio todo o homem, a quem o seu coração moveu, e todo aquele cujo espírito voluntariamente o excitou, e trouxeram a oferta alçada ao Senhor para a obra da tenda da congregação, e para todo o seu serviço, e para as vestes santas. Assim vieram homens e mulheres, todos dispostos de coração; trouxeram fivelas, e pendentes, e anéis, e braceletes, todos os objetos de ouro; e todo o homem fazia oferta de ouro ao Senhor; E todo o homem que se achou com azul, e púrpura, e carmesim, e linho fino, e pelos de cabras, e peles de carneiro tintas de vermelho, e peles de texugos, os trazia; Todo aquele que fazia oferta alçada de prata ou de metal, a trazia por oferta alçada ao Senhor; e todo aquele que possuía madeira de acácia, a trazia para toda a obra do serviço. E todas as mulheres sábias de coração fiavam com as suas mãos, e traziam o que tinham fiado, o azul e a púrpura, o carmesim e o linho fino. E todas as mulheres, cujo coração as moveu em habilidade fiavam os pelos das cabras. E os príncipes traziam pedras de ônix e pedras de engastes para o éfode e para o peitoral, E especiarias, e azeite para a luminária, e para o azeite da unção, e para o incenso aromático. Todo homem e mulher, cujo coração voluntariamente se moveu a trazer alguma coisa para toda a obra que o Senhor ordenara se fizesse pela mão de Moisés; assim os filhos de Israel trouxeram por oferta voluntária ao Senhor.” – Êxodo 35:21-29

O Tabernáculo e seus elementos eram apenas “sombras” e nunca a imagem exata dos bens futuros (substância).

“Ora, visto que a lei tem sombra dos bens vindouros, não a imagem real das cousas, nunca jamais pode tornar perfeitos os ofertantes, com os mesmos sacrifícios que, ano após ano, perpetuamente, eles oferecem.” – Hebreus 10:1

 


medidas

A dimensão do tabernáculo e todas as suas partes refletem um projeto cuidadosamente planejado e um conjunto harmonioso. O uso dos metais, ouro, prata e cobre, é cuidadosamente selecionado de acordo com sua proximidade do Santo dos Santos. Da mesma forma, cores específicas mostram ter uma relação íntima com sua finalidade, quer branco, azul ou carmesim. Há igualmente uma gradação na qualidade dos tecidos usados.

O átrio exterior media 45,72m de comprimento por 22,86m de largura, fechado por uma cortina de linho fino trançado de 22,28m de altura. O seu portão estava localizado no lado oriental do átrio e media 9,14m de largura.

A cortina de linho fino trançado era sustentada por 60 pilares feitos de madeira de acácia coberta com bronze.

O Tabernáculo, propriamente dito, tinha 13,71m de comprimento por 4,57m de largura e 4,57m de altura. E estava dividido em duas seções, o lugar santo (4,57m de largura x 9,14m de comprimento), e o santo dos santos (4,57m x 4,57m).

Finalmente, muita ênfase é colocada na posição e na orientação adequadas, com o lado oriental recebendo o lugar de honra.

 


estacas

As estacas que sustentam o cortinado eram de cobre, colocadas sobre bases também de cobre, distribuídas na forma retangular, de modo a se ter 20 em cada lado leste-oeste.

Igualmente espaçadas entre si, dispostas de modo que não se pode contar a mesma estaca duas vezes.

“E o cobre da oferta foi 70 talentos e 2400 siclos. E dele fez as bases da porta da tenda da congregação e o altar de cobre, e o crivo de cobre e todos os utensílios do altar. E as bases do pátio ao redor, e as bases da porta do pátio, e todas as estacas do tabernáculo e todas as estacas do pátio ao redor.” – Êxodo 38:29-31

O cortinado era suspenso e preso às estacas através das vergas de prata, as quais eram presas às estacas de bronze. Esses colchetes mantinham o cortinado como se fosse um muro com 2,5m de altura, estendido, suspenso e sustentado por vergas e colchetes de prata.

“Assim também para o lado norte as cortinas, no comprimento, serão de cem côvados; e as suas vinte colunas e as suas vinte bases serão de cobre; os colchetes das colunas e as suas faixas serão de prata” – Êxodo 27:11

De igual modo para o lado do norte ao comprido haverá cortinas de 100 côvados de comprimento; e as suas 20 colunas e as suas 20 bases serão de bronze; os ganchos das colunas e as suas vergas serão de prata.

“Todas as colunas do pátio ao redor serão cingidas de faixas de prata; os seus colchetes serão de prata, mas as suas bases de cobre.” – Êxodo 27:17

Estas estacas eram firmadas ao chão através de cordas ou fios feitos de pele de cabra, fixadas em pregos de bronze especialmente preparados para esse fim, os quais eram fincados no chão de modo a se ter parte deles para fora da terra.

___Reflita___

“Deus disse a Moisés: “Trazei Madeira de Acácia”. Vocês se lembram que a Acácia simboliza o corpo incorruptível? A madeira, simboliza a carne. A Acácia, o incorruptível. A Acácia era a única Madeira encontrada nos desertos do Oriente, os desertos da Arábia, e ela nos fala da perfeição do filho do Deus Vivo, cujo o corpo não conheceu corrupção. 

Porém Deus disse: “Quero que o poste seja forrado no topo com prata – redenção, e que a base tenha bronze – sofrimento. E quero uma corda de pelo de cabra atada ao poste e bem presa ao chão.
Pelo de Cabra nos fala de pecado. Em Lv 9.3, a Bíblia declara que o cabrito macho era uma oferta de perdão. Deus disse: “Quero que ates a este poste uma corda de pelo de cabra que esteja amarrado embaixo com uma estaca de bronze enterrada no chão metade dentro, metade fora”.

Deixe-me mostrar todo o Evangelho em um poste, um topo, uma base, uma corda e uma estaca. Creio que isto é glorioso, a sombra do que virá. E, finalmente, tomemos a substância. A sombra era tudo o que tinham até então. Deixe-me mostrar-lhes o Evangelho com estas cinco coisas.

Aqui está outra vez o poste; Jesus, o Homem Perfeito.

A Madeira incorruptível que fala de um corpo incorruptível que foi meu Redentor;

Na prata; que foi meu Salvador;

No Bronze; que se fez pecado por mim;

No pelo de cabra – Lv 9.3; que sofreu e morreu na estaca de bronze e que foi enterrado até a metade. E a outra metade está fora porque Ele ressuscitou dos mortos.

Aleluia! Aqui temos Jesus, o Homem perfeito na madeira de Acácia, que é meu Redentor, que é o meu Salvador, que se fez pecado por mim, que sofreu e morreu por mim, foi sepultado mas ressuscitou. Imagine: o povo de Israel tinha todo o Evangelho em um poste, uma corda e uma estaca, e não podiam vê-lo. Por quê? Porque o que tinham era a sombra e não podiam entendê-la. Mas nós hoje temos a substância desta sombra.

Pense nisto: se a glória de Deus repousou sobre uma sombra, quanto mais sobre a substância. Se a nuvem cobria a sombra durante o dia, quanto mais cobrirá hoje aqueles que têm a substância. Se o fogo cobriu o que era uma sombra, quanto mais cairá esse fogo sobre nós que levamos essa substância.

Em Ex 25.8 Deus disse a Moisés: “E me farão um santuário e habitarei no meio deles”. Isto é somente uma sombra do santuário. Quem é o santuário? Você e eu. Quando Jesus veio formou para si mesmo um corpo e agora Ele habita em nossos corações, é ele quem vive em nós. Tudo isto é o santuário, a sombra do atual e verdadeiro, o corpo de Cristo. O poste e o topo, a base e a corda, a estaca. Jesus, todo o Evangelho aqui e não podiam vê-lo. Porém, quando Jesus veio, nossos olhos foram abertos e vimos o filho de Deus e Ele nos Transformou neste santuário enchendo-nos com a nuvem do Espírito Santo, enchendo-nos com Seu fogo e Seu poder.

O que aconteceu no Pentecostes? A presença de Deus encheu o lugar e línguas de fogo desceram sobre os apóstolos e eles foram cheios do Espírito Santo e de poder. Lembre-se a nuvem fala da presença de Deus, enquanto o fogo fala do poder de Deus.  Se o fogo, que é o poder, e a nuvem que é a presença, repousaram sobre a sombra simbolizando a glória que viria a cada crente, quanto mais terá que repousar sobre nós?

Agora vamos entrar e experimentar esta mesma glória.”

Reflexão por Benny Hinn

 


muros

O “muro” externo era constituído de tecido, suspenso por 60 estacas. Essas estacas eram distribuídas na forma retangular, sendo 10 ao oriente, 10 ao ocidente e 20 ao norte e 20 ao Sul.

“Farás também o pátio do tabernáculo, ao lado meridional que dá para o sul; o pátio terá cortinas de linho fino torcido; o comprimento de cada lado será de cem côvados. Também as suas vinte colunas e as suas vinte bases serão de cobre; os colchetes das colunas e as suas faixas serão de prata. Assim também para o lado norte as cortinas, no comprimento, serão de cem côvados; e as suas vinte colunas e as suas vinte bases serão de cobre; os colchetes das colunas e as suas faixas serão de prata, E na largura do pátio para o lado do ocidente haverá cortinas de cinquenta côvados; as suas colunas dez, e as suas bases dez. Semelhantemente a largura do pátio do lado oriental para o levante será de cinquenta côvados.” – Êxodo 27:9-13

O cortinado tinha 5 côvados de altura, o que dá aproximadamente 2,5m, seu comprimento era de 100 côvados em seu lado maior, 50 côvados em seu lado menor. Isso dá aproximadamente 50 metros no comprimento e 25 na largura.

A área delimitada por esse cortinado, dentro do arraial, era chamada de pátio (átrio). Era natural ver-se de longe, no centro do arraial, esse cercado que delimitava a área do Tabernáculo.

Na frente oriental (leste) do cortinado (muro) havia uma porta. Essa porta era fechada com um “tapete” ou “coberta”, suspensa sobre quatro colunas.

“De maneira que haja quinze côvados de cortinas de um lado; suas colunas três, e as suas bases três. E quinze côvados das cortinas do outro lado; as suas colunas três, e as suas bases três. E à porta do pátio haverá uma cortina de vinte côvados, de azul, e púrpura, e carmesim, e de linho fino torcido, de obra de bordador; as suas colunas quatro, e as suas bases quatro.” – Êxodo 27:14-16

 

___Tipificação___

 

E as cortinas ao redor do átrio (pátyio) eram brancas, limpas e de linho fino retorcido, estas cortinas brancas representam a natureza de Cristo, limpa e perfeita.

"O qual não cometeu pecado, nem dolo algum se achou em sua boca; pois ele, quando ultrajado, não revidava com ultraje; quando maltratado, não fazia ameaças." – I Pedro 2:22-23

 

 



atrio

O pátio era o local mais exterior do Tabernáculo, ele era totalmente descoberto e compunha-se de três elementos: a porta, o altar e a pia. A moldura da cerca era feita de acácia coberta por prata e descansava numa base de bronze. Cortinas de linho cobriam essa moldura de fora. Elas eram penduradas em ganchos de prata de uma vara de prata. A entrada, na face leste do átrio, era coberta por cortinas bordadas com cores as cores azul, roxa e escarlate.

“Farás também o pátio do tabernáculo, ao lado meridional que dá para o sul; o pátio terá cortinas de linho fino torcido; o comprimento de cada lado será de cem côvados. Também as suas vinte colunas e as suas vinte bases serão de cobre; os colchetes das colunas e as suas faixas serão de prata. Assim também para o lado norte as cortinas, no comprimento, serão de cem côvados; e as suas vinte colunas e as suas vinte bases serão de cobre; os colchetes das colunas e as suas faixas serão de prata, E na largura do pátio para o lado do ocidente haverá cortinas de cinquenta côvados; as suas colunas dez, e as suas bases dez. Semelhantemente a largura do pátio do lado oriental para o levante será de cinquenta côvados. De maneira que haja quinze côvados de cortinas de um lado; suas colunas três, e as suas bases três. E quinze côvados das cortinas do outro lado; as suas colunas três, e as suas bases três. E à porta do pátio haverá uma cortina de vinte côvados, de azul, e púrpura, e carmesim, e de linho fino torcido, de obra de bordador; as suas colunas quatro, e as suas bases quatro. Todas as colunas do pátio ao redor serão cingidas de faixas de prata; os seus colchetes serão de prata, mas as suas bases de cobre. O comprimento do pátio será de cem côvados, e a largura de cada lado de cinquenta, e a altura de cinco côvados, as cortinas serão de linho fino torcido; mas as suas bases serão de cobre. No tocante a todos os vasos do tabernáculo em todo o seu serviço, até todos os seus pregos, e todos os pregos do pátio, serão de cobre. Tu pois ordenarás aos filhos de Israel que te tragam azeite puro de oliveiras, batido, para o candeeiro, para fazer arder as lâmpadas continuamente. Na tenda da congregação, fora do véu que está diante do testemunho, Arão e seus filhos as porão em ordem, desde a tarde até a manhã, perante o Senhor; isto será um estatuto perpétuo para os filhos de Israel, pelas suas gerações.” – Êxodo 27:9-21

 

 



 

porta atrio

A única porta de entrada do tabernáculo, tem a mesma altura do muro formado pelo cortinado que delimita o pátio, isto é: 2,5m de altura.  Essa “coberta” era apoiada sobre quatro colunas.

A porta era uma só e se achava sustentada por quatro colunas. Era formada por um cortinado que continha quatro cores (azul, púrpura, carmesim e branco).

 

___Tipificação___

 

“Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens.” – João 10:9

 

A porta de entrada do tabernáculo, também era conhecida como “o caminho”.

 

“Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” – João 14:6

As tribos de Israel acampavam ao seu redor, sendo que a frente do Tabernáculo era sempre virada para o oriente, ou seja, sempre apontando para o nascimento do sol.

 

“Mas para vós outros que temeis o meu nome nascerá o sol da justiça, trazendo salvação nas suas asas; saireis e saltareis como bezerros soltos da estrebaria.” – Malaquias 4:2

___Reflita___

 

Este é o portão. Quando Deus detalhou a Moisés a construção do Tabernáculo, Ele começou de dentro para fora. Como Ele sempre faz: transforma de dentro para fora; Ele conserta seu coração primeiro até chegar ao exterior. Porém, para que possamos entender melhor o Tabernáculo, vamos começar de fora para dentro. Comecemos com a Entrada:

Esta é a Parte que Deus deu a Moisés; você pode ver que as quatro cores, todas simbólicas de Jesus. Deixe-me acrescentar que esta entrada é chamada “O Caminho”. Isto te lembra alguma coisa? Claro que sim! Jesus chamou a Si mesmo de “O Caminho”. E, quando o Senhor disse, “Eu sou o Caminho”, os judeus imediatamente entenderam que Ele quis dizer. Que era o caminho à presença do Todo-Poderoso. E nesta entrada vemos as quatro cores outra vez:

Azul = Jesus, o Filho de Deus;

Púrpura = Jesus, O Rei;

Escarlate = Jesus, o Salvador;

Branco = Jesus, o Homem Perfeito.

Outra vez vão de encontro aos quatro Evangelhos, apresentando-nos a Jesus.

Quando Moisés parou diante do Tabernáculo, a primeira coisa que viu foi Jesus, o Filho do Deus Vivo. Com quem você se encontra no começo do Novo Testamento? Com Jesus, o Filho do Deus Vivo! Ele é o caminho à poderosa presença de Deus. O Senhor também disse: “Eu sou a Verdade e a Vida”.

Logo, ao entrar, você verá que a porta do Lugar Santo, preste atenção, também se chamava “A Verdade”. Levava ao Lugar Santo, onde a verdade era revelada no mobiliário do Lugar Santo. E ao continuar, veremos o véu, que era chamado de “A Vida” porque ali estava a glória.

A entrada se chamava “O Caminho”. A porta do Lugar santo se chamava “A Verdade”. E o véu, que era a entrada ao Lugar Santíssimo, era chamado de “A Vida”. Jesus é a entrada, o Caminho. E a porta, a Verdade. E o véu, a Vida.

Ao olhar esta porta você encontrará algo muito importante. Ela é bem alta, o suficiente para não ver o que há por trás. Só passando e entrando é que se pode ver a glória e formosura do Mestre.

Tudo o que se vê aqui fora é quem Ele é e seus ministérios. Além da entrada, há uma cerca de linho branco que fala da perfeição do Filho de Deus, o homem Cristo Jesus. Como lhes disse em Hebreus 8.5: “Estas são só uma sombra das coisas”.

E quero mostrar-lhes uma sombra de algo maravilhoso.

 

Reflexão por Benny Hinn

 

 



altar sacrificio

O altar se era o primeiro objeto localizado na entrada do átrio, próximo ao portão, Media cerca de 2,20 m de comprimento, por 2,20 m de largura, e 1,30 m de altura, ele foi projetado para queimar sacrifícios. Os sacrifícios eram oferecidos neste altar, e o sangue dos animais ofertados era derramado pelos pecados do povo.

“Farás também o altar de madeira de acácia; cinco côvados será o comprimento, e cinco côvados a largura (será quadrado o altar), e três côvados a sua altura. E farás as suas pontas nos seus quatro cantos; as suas pontas serão do mesmo, e o cobrirás de cobre. Far-lhe-ás também os seus recipientes, para recolher a sua cinza, e as suas pás, e as suas bacias, e os seus garfos e os seus braseiros; todos os seus utensílios farás de cobre. Far-lhe-ás também um crivo de cobre em forma de rede, e farás a esta rede quatro argolas de metal nos seus quatro cantos. E as porás dentro da borda do altar para baixo, de maneira que a rede chegue até ao meio do altar. Farás também varais para o altar, varais de madeira de acácia, e os cobrirás de cobre. E os varais serão postos nas argolas, de maneira que os varais estejam de ambos os lados do altar, quando for levado. Oco e de tábuas o farás; como se te mostrou no monte, assim o farão.” – Êxodo 27:1-8

 

Os sacerdotes examinavam a oferta porque nada profano ou impuro poderia ser colocado sobre o altar.

 

E trará ao sacerdote um carneiro sem defeito do rebanho, conforme à tua estimação, para expiação da culpa, e o sacerdote por ela fará expiação do erro que cometeu sem saber; e ser-lhe-á perdoado.” – Levítico 5:18

 

O cordeiro sem culpa era considerado culpado em substituição ao pecador.

“Então degolará o cordeiro da expiação da culpa, e o sacerdote tomará do sangue da expiação da culpa, e o porá sobre a ponta da orelha direita daquele que tem de purificar-se, e sobre o dedo polegar da sua mão direita, e sobre o dedo polegar do seu pé direito.” – Levítico 14:25

___Tipificação___

 

O altar é um local de morte. Assim como era impossível para os filhos de Israel entrar na presença de Deus sem sacrificar primeiro no altar de bronze, igualmente hoje em dia é impossível se chegar a Deus sem invocar primeiro a graça redentora do sacrifício eterno de Jesus na cruz, assim, o altar de bronze tipifica a obra redentora de Jesus Cristo na cruz do calvário em nosso favor.

“Assim queimarás todo o carneiro sobre o altar; é um holocausto para o Senhor, cheiro suave; uma oferta queimada ao Senhor.” – Êxodo 29:18

Onde todos aqueles que creem no sacrifício de Jesus são justificados e recebem a remissão de seus pecados.

“Mas este, havendo oferecido para sempre um único sacrifício pelos pecados, está assentado à destra de Deus.” – Hebreus 10:12

 

Jesus, um cordeiro sem defeito

 

Mas com o precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro imaculado e incontaminado” - I Pedro 1:19

 

Jesus tomou nosso lugar e levou nossa culpa.

 

“No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.” – João 1:29

 

“E que, havendo por ele feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, tanto as que estão na terra, como as que estão nos céus. A vós também, que noutro tempo éreis estranhos, e inimigos no entendimento pelas vossas obras más, agora contudo vos reconciliou no corpo da sua carne, pela morte, para perante ele vos apresentar santos, e irrepreensíveis, e inculpáveis” – Colossenses 1:20-22

___Reflita___

 

Ao entrar o que vemos primeiro é o Altar de Sacrifícios. Os sacerdotes viam este Altar logo que passavam pelo portão. E deste lugar podiam ver toda a cerca de 60 pilares que Deus mandou Moisés fazer.  Não há detalhe sem sentido na Palavra de Deus. Não há detalhe que não tenha sentido na Palavra de Deus. Cada coisa que Deus dava tinha um sentido por trás. Cada coisa que Deus dizia era vitalmente importante.

Ele disse a Moisés: “Quero que tenha 60 pilares para sustentar a cerca”. Bem, por que sessenta? Na Bíblia:

Seis = é o número do homem.
Dez = é o número da responsabilidade.

Significa que Jesus, o Filho de Deus, se fez homem e cumpriu com nossas responsabilidades. Nas áreas em que nós falhamos Jesus assumiu e cumpriu nossas responsabilidades para com Deus. Deus olhou e disse: “O homem me tem falhado”. Mas Jesus veio e tomou nosso lugar, nosso pecado e nossas fraquezas. É disto que tratam os 60 pilares: Jesus fazendo-se homem e cumprindo com nossas responsabilidades.

Creio que é glorioso. Porém aqui, neste Altar de Sacrifício é onde tudo começa, logo que os sacerdotes entravam. E agora, quero mostrar-lhes nas Escrituras tudo o que é referente ao Altar.

Jesus cumpriu com nossas responsabilidades. Mas agora estamos aqui, junto ao Altar de Sacrifício: a primeira coisa que os sacerdotes viam ao entrar. E lembre-se: a porta era uma sombra de Cristo, O Caminho. Em outras palavras: uma vez que conhecemos o Senhor como Salvador, e passamos por esta porta, nos deparamos com o Altar.

O que os sacerdotes viam primeiro era o Altar. Mas o que acontecia aqui neste Altar era sacrifício de animais, onde o sangue era derramado. Quero dizer: depois que você conhece a Jesus como seu Salvador, Ele é o Caminho, a porta. Depois que o Espírito Santo te revela, é o poder do sangue e você não pode experimentar a presença de Deus, você não pode entrar no lugar santíssimo sem antes experimentar e compreender o poder do sangue:

Efésios 1.7 diz que o sangue nos dá perdão.
I João 1.7 diz que o sangue nos limpa.
Romanos 5.9 diz que o sangue nos justifica.

Assim que:

pelo sangue temos perdão,
pelo sangue somos limpos e
pelo sangue somos justificados.

E aqui há algo glorioso:

perdão sempre tem a ver com o passado.
ser limpo tem a ver com o presente,
mas a justificação está relacionada com o futuro.

Ou seja: o sangue de Cristo, o Filho de Deus, já se ocupou do seu passado, do seu presente e do seu futuro.  Isto é glorioso! Efésios 1.7 declara que o Sangue nos traz perdão. Perdão do quê? Dos nossos pecados e iniquidades do passado. E Mais… I João diz: “Porém, se andarmos na luz como Ele na luz está, então o sangue de Jesus nos limpa, no presente, nos limpa de todo o pecado”. Limpar-nos está relacionado a quedas e erros do presente.

Quer dizer: se você está falando com alguém e você falha ou alguma fraqueza te derruba, tudo o que você tem a dizer é: “Senhor, perdoa-me”, e o sangue instantaneamente te limpa. Você fica limpo neste mesmo instante como se não tivesse feito nada. Mas o sangue também justifica. Romanos 5.9 diz: “…somos justificados da ira que virá”. O sangue tem trazido justificação da ira que virá e vemos o futuro envolvido aqui.

Bem, podemos pensar: “Isto não nos dá permissão para pecar?”, O povo não precisa de permissão para pecar. Mas, se você anda em obediência a Ele, se você vive para Ele, se O ama e O serve, se você é Seu filho, se realmente nasceu de novo, você não vai sair e viver pecando. É impossível agir assim se você nasceu de novo. É impossível planejarmos o pecado. É impossível dizer: “eu vou fazer assim e assim” e planejar e pecar; falhamos porque somos fracos. Não planejamos, apenas acontece. É por isso que o sangue está ali para nos limpar. E o futuro está resolvido porque a graça nos justifica. Como isto é maravilhoso!

O Altar de Sacrifício não só nos revela o sangue e o poder do sangue mas também o lugar da morte. Você não pode experimentar o poder de Deus sem experimentar a morte; a morte da carne, de si mesmo.

A Bíblia nos diz que devemos crucificar a carne. Aqui é onde a morte ocorre.  A primeira coisa que os sacerdotes viam ao entrar no Tabernáculo era o lugar da morte. Nossa primeira experiência após nascermos de novo é encarar a cruz, o lugar da morte.  Jesus disse:

“E dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me.” -  Lucas 9:23

A cruz é símbolo de morte. Como se morre? Deixe-me mostrar-lhes. Vamos aos Salmos 63. Quero que entenda isto. É Glorioso.

“Oh Deus, Tu és o meu Deus; de madrugada Te buscarei; Minh ‘alma tem sede de Ti; a minha carne Te deseja muito numa terra seca e cansada onde não há água; para ver Teu poder e tua glória como Te vi no santuário”. Salmo 63.1.

Davi estava faminto pela presença e pelo poder de Deus, mas ele sabia que algo tinha que acontecer antes. Mas o que deveria acontecer? Ele declarou: ”Minha carne Te deseja”. Tem que haver o desejo da presença de Deus.

“Como o cervo brama pelas correntes de águas assim a minh’alma clama por Ti, Oh Deus!”  - Salmo 42.1

Veja bem: o cervo, quando perseguido por outro animal, busca as águas não tanto para beber, mas para mergulhar nelas, para estar submerso. Por quê? Porque o cervo sabe que é o seu cheiro que está atraindo outros animais. E também sabe que, se ele encontrar água e mergulhar nela, o cheiro se perderá, irá embora. Nenhum animal o alcançará.

Você e eu, quando perseguidos pelo inimigo, devemos fazer o quê? De que necessitamos? Necessitamos das águas do Espírito Santo para mergulharmos na presença do Deus Todo-Poderoso, onde nenhum demônio pode alcançar você nem te tocar. Mas como chegamos lá? Como começa esse processo de morte? Começa com a carne anelando a presença de Deus. Para saltar nessa presença e nessas águas onde nada pode te tocar.

Então, vamos falar de oração porque é assim que começamos a morrer. Eu dizia: “Oh Senhor, mata-me, ajuda-me a morrer!”. Não sabia o que falava. O Espírito Santo começou a me mostrar – como fiquei feliz quando Ele finalmente me mostrou como morrer.  Quando começamos a orar, como começamos? Pode ser ajoelhados, sentados, em pé, Deus não nos disse como devemos ficar. A Ele não interessa a postura do corpo, só a do coração. Quando começamos a orar, como começamos?

Começamos com luta, com repetição, com uma guerra que se dá entre a carne e o Espírito. Quando começo a orar, a glória não vem em seguida, nada acontece no começo. Primeiro, devemos pôr a carne de lado. A carne deve morrer como neste Altar de Sacrifício, onde o sangue foi derramado, e então, chegamos ao lugar da morte.

Ao começarmos a orar, a carne começa a morrer. E ao começar, você o faz com repetição, com fraqueza e por momentos, sua mente se distancia e pensa: “Bem, talvez seja melhor eu pedir uma pizza, ou quem sabe, parar ou ficar dormindo”; outras vezes talvez boceje ao tentar orar.

Veja: a carne luta, porém escute: Quanto mais tempo você ficar ajoelhado, ainda que esteja repetindo, o que você não percebe é que, quanto mais você ficar parado, mais a carne está morrendo. E, quanto mais ela é crucificada, chegará um momento em que haverá um quebrantamento, uma libertação. E só quando isto acontecer, somente então, você saberá que a carne foi crucificada.

Enquanto durar a luta, a carne estará viva, mas a guerra acaba quando a carne se rende, quando a repetição acaba, quando o bocejo cessa, não há mais sono, quando não há o desejar isto ou aquilo, então a carne morreu.

Enquanto a guerra continua, a carne está viva, mas o que você não sabe é que a carne está morrendo, está se submetendo, se submetendo. Quanto mais tempo você ficar submisso mais o Espírito está vivo e mais a carne está morrendo. Como sei que estou morto? É simples: A culpa já não existe.

Muitas vezes, ao começarmos a orar, o que dizemos? Oh Deus, perdoa-me, ajuda-me, faz isso, faz aquilo, não há uma relação: o que você faz é pedir e você se sente tão mal, tão culpado – isto é parte do morrer – mas uma vez acabado isso, quando você não fica repetindo: ”abençoe-me, perdoe-me” e quando a oração verdadeira começa, vinda do coração, quando a verdadeira oração começa, você sabe que morreu, porque a carne não pode orar, ela não sabe como orar.

Nesse Altar Deus trata com os Isaques em nossos corações.  Veja bem, Deus trata com os Isaques em nossos corações. Sabe por quê Deus pediu a Abraão o seu filho Isaque? Porque ele queria o seu coração, o qual Lhe pertencia antes. E Deus disse a Abraão: “Abraão, teu coração era meu, mas agora Isaque, teu filho, tenta entrar no teu coração.”. Acontece que Isaque era muito especial para Abraão. Isaque começava a entrar no lugar que era só de Deus. E Deus disse: “Nem mesmo Isaque pode dividir o coração que é só meu”.

Se alguém deixar algum Isaque entrar em seu coração e começar a dividir lugar com Deus, Ele diz: “Não! Ofereça-o no Altar”. Tudo deve morrer. O que disse Jesus? “Se não deixares tudo e amares somente a mim, não serás digno de mim. Se você não deixar seu pai, sua mãe, filhos, esposa, irmãos, se não me amas acima de tudo, não serás digno de mim”.

O Senhor não nos pedia para odiarmos ninguém. O que Ele queria era que O amássemos mais do que tudo. Ele é o primeiro da nossa vida e do nosso coração.  Comparado com Seu amor, tudo mais deve ser esquecido.  Se não O amarmos acima de tudo, não somos dignos dEle. E se amamos nossos pais, nossos filhos … Ele ordenou que nos amássemos uns aos outros porém, não mais do que O amamos. Ele precisa ser o número um, sempre.

Mas isso só vem depois da morte, já que você morreu para tudo e Ele se tornou o número um. Não há Isaques permitidos, e a carne deve morrer. E neste Altar de Sacrifícios, onde está a morte, você encontrará o sangue, que o limpará e o manterá limpo.

Assim que, logo depois de encontrar Jesus como Salvador na entrada, você enfrenta a cruz, lugar de morte e sangue onde cada parte de você se rende. E assim, Ele vem a ser o número um, e só então, será permitido a você passar deste Altar até a Fonte.

 

Reflexão por Benny Hinn

 

 



bacia

A pia de bronze também ficava no átrio exterior, entre o altar de bronze e a tenda da congregação, que tinham que se lavar antes de entrarem no Tabernáculo.

Seu fundo era polido como espelho, de tal forma que o Sacerdote via seu rosto refletido nas águas, era um lembrete de como Deus os via. Era nela também que os Sacerdotes lavavam seus pés e mãos antes de entrarem no Santo Lugar.

Somente depois de se lavar na pia, o sacerdote poderia entrar no Santo lugar.

E falou o Senhor a Moisés, dizendo: Farás também uma pia de cobre com a sua base de cobre, para lavar; e a porás entre a tenda da congregação e o altar; e nela deitarás água. E Arão e seus filhos nela lavarão as suas mãos e os seus pés. Quando entrarem na tenda da congregação, lavar-se-ão com água, para que não morram, ou quando se chegarem ao altar para ministrar, para acender a oferta queimada ao Senhor. Lavarão, pois, as suas mãos e os seus pés, para que não morram; e isto lhes será por estatuto perpétuo a ele e à sua descendência nas suas gerações.” – Êxodo 30:17-21

___Tipificação___

 

A pia falava de Jesus, como aquele que nos santifica. Somos lembrados de que Cristo nos santifica pela lavagem dos nossos pecados, através da água viva que é a sua palavra.

"Para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra" Efésios 5:26

 

“Vós já estais limpos, pela palavra que vos tenho falado.” - João 15:3

 

"Cheguemo-nos com verdadeiro coração, em inteira certeza de fé, tendo os corações purificados da má consciência, e o corpo lavado com água limpa" – Hebreus 10:22

___Reflita___

 

A Fonte. Símbolo da Palavra do Deus Vivo, a Palavra que nos dá poder, nos renova e nos preenche com a mesma presença do Deus Todo-Poderoso.  Há muito o que falar sobre esta Fonte, mas antes deixe-me dizer-lhes que muitos crentes não têm passado da entrada.

Mesmo tendo experimentado a Jesus como Senhor e Salvador, Seu amor e Sua graça, ainda não têm crucificado a carne. Sem crucificar a carne não podemos conhecer o poder da Palavra de Deus. Jesus disse em João 13.10:  “…Aquele que está lavado não necessita lavar senão os pés pois, no mais, está todo limpo. E vós estais limpos, mas não todos”.

O que Ele dizia? Que uma vez passado do Altar de Sacrifícios, e estando limpo, o que se tem a fazer é lavar os pés. Por quê? Porque o sacerdote no Antigo Testamento vestia uma roupa bonita, mas não podia usar calçados. Por quê? Para lembrar-lhe que ainda tocava o pó, a Terra. Você e eu somos lavados pelo Sangue do Cordeiro, mas enquanto caminhamos por esta Terra, ainda estamos em contato com o mundo e é por isso que precisamos da Palavra de Deus para limpar-nos e lavar-nos a cada dia.

Os santos da Velha Aliança tinham que lavar as mãos e os pés nesta Fonte.

Mãos simbolizam as obras;

Pés, o caminhar.

Hoje não temos que lavar as mãos porque não vivemos por obras.  Mas devemos lavar nossos pés para que o nosso andar se mantenha limpo ao tocarmos a Terra todos os dias. Os Santos da Velha Aliança lavavam suas mãos porque havia a necessidade de obras. Hoje, porque há a graça, as obras não são necessárias, mas o nosso andar deve permanecer limpo.

Deus disse a Moisés que esta Fonte deveria ser feita dos espelhos das mulheres; uma Fonte feita de bronze que usavam como espelho. Por quê? Porque ao lermos a Palavra de Deus ela nos revela quem somos nós.

Tendo passado pela entrada e encontrado Jesus como Senhor então, você chega ao Altar de Sacrifícios, onde a morte está, onde você experimenta a morte de si mesmo e da carne, e onde o sangue é derramado e você é lavado e purificado.  Só então, você pode seguir até a Fonte que está aqui, experimentar o poder da Palavra de Deus e mergulhar nela. Lembre-se do Salmo: “Como o cervo clama pelas águas, assim a minh’alma Te anela”.

Esse anelar da presença de Deus, pelas águas do seu poder o que é? É a Palavra do Deus Vivo. Você não pode experimentar o Poder desta Palavra até que você morra primeiro. Mas, uma vez chegado a esta Fonte, a Palavra, literalmente como num espelho, você começa a ver quem você é em Jesus, o que Ele tem feito por você, do que se trata a Palavra. E, uma vez que esta Palavra te preenche e começa a afetar a sua vida, algo acontece no seu interior. Agora a verdade chega. Preste atenção: A verdade chega e o resultado desta verdade na sua vida é que ela o habilita para passar da Fonte para o Lugar Santo.

E, ao vermos esta porta do Lugar Santo, ela não era chamada somente de “A Porta”, mas também de “A Verdade”.  Os judeus a conheciam como o lugar que se revelava a verdade; dentro do Tabernáculo havia revelações da verdade. O que Jesus disse? “Eu sou o Caminho – a entrada, eu sou a Verdade – a porta. Mas como chegamos a esta verdade? Através da Palavra de Deus. Então lembre-se: a entrada, o caminho e a salvação que nos traz o poder do sangue, onde experimentamos a total purificação, a morte de si mesmo e da carne, que nos permite ir adiante e provar da Fonte, do poder da Palavra do Deus Vivo.

Ainda que a verdade encha os nossos corações, a Palavra de Deus se torna lâmpada para nossos pés e luz para nossos caminhos. Mais preciosa e mais fina do que o ouro, e mais doce que o mel. A Bíblia diz que a Lei do Senhor é perfeita e converte a alma. Quando a Palavra de Deus entra em nós, algo acontece; a alma se aviva e então a oração se torna em algo vivo. O que aconteceu no Altar de Sacrifícios foi a luta, a repetição e depois, a morte.

Uma vez morto e sem culpa, algo ocorre:  a oração se transforma numa parte viva em você e agora você ora de acordo com a Palavra de Deus. O que é esta oração?

Primeiro: a oração é confissão – Você confessa quem Deus é. Lembre-se: O Apóstolo Pedro, ao confessarem Atos, disse: ”Senhor, Tua Palavra declara que tu és Deus”. E quando Moisés entrou na mesma presença de Deus em Êxodo 32 disse: “Tu disseste a Abraão”.

Quando começamos a orar de verdade, sempre oramos usando a Palavra na presença de Deus. A Palavra do Deus Vivo literalmente nos faz orar. Quando começamos a orar a Palavra, literalmente a palavra se faz viva neste período de oração. Você diz: “Senhor, Tu disseste”, e a oração não é mais repetição. A oração se transforma em palavra viva dentro de você, elevando-o até o mais alto e tocando bem o Trono dos Céus.  Isto é glorioso! A Palavra de Deus não somente enche o seu interior,  mas também transforma-o e converte a alma.

Primeiro: a oração além da confissão é súplica.
Segundo: a oração é suplica – fazendo-O saber nossos pedidos.
Terceiro: a oração é adoração – chega uma hora em que você irá amá-lo e adorá-lo;
Quarto: a oração é intimidade.
Quinto: a oração é intercessão pelos outros.
Sexto: mais do que tudo, a oração é gratidão.
Sétimo: e, por último, louvor.

A oração não é somente recorrer a Deus , mas tornar-se uma parte viva de suas promessas. Você toma a Palavra de Deus e diz: “Tu disseste, Senhor”. E, quando isto está em você por causa da Palavra e a verdade nasce em você, convertendo a sua alma, mudando o seu mais profundo interior, trazendo vida ao seu interior.

O Portão que fala de Jesus, conhecendo-o como Senhor e Salvador, e também fala de reconciliação, onde você e eu somos reconciliados com o Deus Todo-Poderoso.

O Altar de Sacrifício, como já disse que fala da morte, da crucificação de si mesmo na cruz, fala também de redenção porque aqui vemos o poder dela;

Esta Fonte fala da Palavra de Deus e também de santificação, porque quando a Palavra entra em nossos corações  somos santificados.

 

Reflexão por Benny Hinn

 

 


paredes

As paredes laterais norte e sul eram formados cada uma com 20 tábuas, cuja medida no comprimento total era de 15 metros aproximadamente. A largura era de 5 metros, formando uma tenda retangular de 15m x 5m, aproximadamente.

Havia 2 ambientes em seu interior, o Santo Lugar medindo 10x5m e o Lugar Santíssimo (Santo dos santos) medindo 5x5m, cuja divisão era feita por um véu (tapete ou coberta). Este véu era feito de tecido da mesma cor que os da porta do pátio e o da entrada do Santuário, mas com querubins bordados nele.

“Depois farás um véu de azul, e púrpura, e carmesim, e de linho fino torcido; com querubins de obra prima se fará. E colocá-lo-ás sobre quatro colunas de madeira de acácia, cobertas de ouro; seus colchetes serão de ouro, sobre quatro bases de prata.” – Êxodo 26:31-32

Esse cortinado era apoiado sobre quatro colunas, feitas de madeira e revestidas de ouro tinha a finalidade de isolar o local Santíssimo (Santo dos santos).

Farás também as tábuas para o tabernáculo de madeira de acácia, que serão postas verticalmente. O comprimento de uma tábua será de dez côvados, e a largura de cada tábua será de um côvado e meio.” – Êxodo 26:15-16

Sustentadas e apoiadas em bases feitas de prata, as tábuas não entravam em contato direto com a areia do deserto. Tinham uma altura de 5 metros e 75 centímetros de largura eram justapostas, estavam unidas entre si através de “travessas”, eram 5 de cada lado, na horizontal, com aproximadamente 15 metros em seu comprimento. E todas eram revestidas de ouro.

 

“Farás também quarenta bases de prata debaixo das vinte tábuas; duas bases debaixo de uma tábua para os seus dois encaixes e duas bases debaixo de outra tábua para os seus dois encaixes. Também haverá vinte tábuas ao outro lado do tabernáculo, para o lado norte, com as suas quarenta bases de prata; duas bases debaixo de uma tábua, e duas bases debaixo de outra tábua.” – Êxodo 26:19-21

E cobrirás de ouro as tábuas, e farás de ouro as suas argolas, para passar por elas as travessas; também as travessas as cobrirás de ouro.” – Êxodo 26:29

O lado ocidental foi fechado com 6 tábuas idênticas às da parede lateral, e o canto foi fechado com duas pequenas tábuas, totalizando oito tábuas no fundo. Todas revestidas de ouro e com bases de prata.

“E ao lado do tabernáculo para o ocidente farás seis tábuas. Farás também duas tábuas para os cantos do tabernáculo, de ambos os lados. E por baixo se ajuntarão, e também em cima dele se ajuntarão numa argola. Assim se fará com as duas tábuas; ambas serão por tábuas para os dois cantos. Assim serão as oito tábuas com as suas bases de prata, dezesseis bases; duas bases debaixo de uma tábua, e duas bases debaixo da outra tábua.” – Êxodo 26:22-25

 

 



cobertura

A cobertura do tabernáculo tinha 4 cortinas (tapetes) medindo por volta de 15 metros por 15 metros, cada um deles com um significado e propósito diferentes.

A Primeira Cobertura

A primeira cobertura era feita com 10 cortinas (tapetes) de linho, com 2 metros cada uma, com desenhos de querubins e estofos azuis, púrpura (roxos) e carmesim (escarlates) e presas com colchetes de ouro. Cinco pedaços eram enlaçados uns com os outros, e cinco se uniam do mesmo modo, de sorte que formavam 2 peças que se prendiam.

“E o tabernáculo farás de dez cortinas de linho fino torcido, e azul, púrpura, e carmesim; com querubins as farás de obra esmerada. O comprimento de uma cortina será de vinte e oito côvados, e a largura de uma cortina de quatro côvados; todas estas cortinas serão de uma medida. Cinco cortinas se enlaçarão uma à outra; e as outras cinco cortinas se enlaçarão uma com a outra. E farás laçadas de azul na orla de uma cortina, na extremidade, e na juntura; assim também farás na orla da extremidade da outra cortina, na segunda juntura. Cinquenta laçadas farás numa cortina, e outras cinquenta laçadas farás na extremidade da cortina que está na segunda juntura; as laçadas estarão presas uma com a outra. Farás também cinquenta colchetes de ouro, e ajuntarás com estes colchetes as cortinas, uma com a outra, e será um tabernáculo.” – Êxodo 26:1-6

 

A Segunda Cobertura

A segunda cobertura era feita de pelos de cabra e consistia de 11 cobertas estreitas, de 15 metros de comprimento e presas com colchetes de bronze, que se ajuntavam umas às outras, formando 2 secções: uma com 5, e outra com 6, A parte formada pelas 5 cobria o teto e 3 lados do santo dos santos; a mais larga cobria o teto e os lados. Essas cortinas eram unidas entre si e não receberam pinturas, mantendo-se a tonalidade natural.

“Farás também cortinas de pelos de cabras para servirem de tenda sobre o tabernáculo; onze cortinas farás. O comprimento de uma cortina será de trinta côvados, e a largura da mesma cortina de quatro côvados; estas onze cortinas serão da mesma medida. E juntarás cinco destas cortinas à parte, e as outras seis cortinas também à parte; e dobrarás a sexta cortina à frente da tenda. E farás cinquenta laçadas na borda de uma cortina, na extremidade, na juntura, e outras cinquenta laçadas na borda da outra cortina, na segunda juntura. Farás também cinquenta colchetes de cobre, e colocarás os colchetes nas laçadas, e assim ajuntarás a tenda, para que seja uma.” – Êxodo 26:7-11

 

“Fez também cortinas de pelos de cabras para a tenda sobre o tabernáculo; fez onze cortinas. O comprimento de uma cortina era de trinta côvados, e a largura de quatro côvados; estas onze cortinas tinham uma mesma medida. E uniu cinco cortinas à parte, e outras seis à parte, E fez cinquenta laçadas na borda da última cortina, na juntura; também fez cinquenta laçadas na borda da cortina, na outra juntura. Fez também cinquenta colchetes de metal, para ajuntar a tenda, para que fosse um todo.” – Êxodo 36:14-18

 

A Terceira Cobertura

A terceira cobertura era feita de peles de carneiro, tingidas de vermelho.

“Farás também à tenda uma coberta de peles de carneiro, tintas de vermelho, e outra coberta de peles de texugo em cima.” – Êxodo 26:14

 

A Quarta Cobertura

A quarta cobertura era a mais externa, feita de pele de animais marinhos de forma natural sem tintura.

“Também farás de peles de carneiros tintas de vermelho uma coberta, para a tenda, e outra coberta de peles de animais marinhos.” – Êxodo 26:14

 

 



santo lugar

Na entrada do Santo Lugar, havia uma grande cortina com 5 metros de altura, sustentada por 5 colunas revestidas de Ouro com bases de bronze. O Lugar Santo era a primeira parte da tenda de dentro do tabernáculo.

Farás também para a porta da tenda, uma cortina de azul, e púrpura, e carmesim, e de linho fino torcido, de obra de bordador. E farás para esta cortina cinco colunas de madeira de acácia, e as cobrirás de ouro; seus colchetes serão de ouro, e far-lhe-ás de fundição cinco bases de cobre” – Êxodo 26:36-37

No Santo Lugar havia 3 utensílios de grande significado:

- No lado direito, ficava a mesa dos pães da proposição

- No lado esquerdo, ficava a menorá

- No centro, ficava o altar de incenso

Aqui, somente os sacerdotes poderiam entrar e mais ninguém.

___Tipificação___

 

Assim como a porta de entrada do tabernáculo era conhecida como “o caminho”, esta porta de entrada ao Santo Lugar era conhecida entre os hebreus como “a verdade”.

 

“Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” – João 14:6

De acordo com alguns estudiosos, as 5 colunas revelam os 5 Ministérios dados por Cristo a igreja.

“E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo, Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente.” - Efésios 4:11-14

___Reflita___

 

E, ao atravessarmos a porta, chegando ao Lugar santíssimo, veremos:

Candelabro = Fala de iluminação, revelação.
Mesa dos Pães sem fermento = Satisfação
Altar de incenso = O lugar onde Deus é exaltado.

E depois de Tudo isso está o Lugar santíssimo, que é a Arca da Aliança, falando da glorificação, onde Deus é exaltado.

As 5 Colunas

A Bíblia tem muito a dizer sobre os ministérios da Igreja, sobre os cinco ministérios da Igreja que estes postes da entrada do Lugar Santo simbolizam. Leia comigo agora Efésios 4.11: “Ele mesmo constituiu a uns Apóstolos, a outros Profetas, a outros Evangelistas, a outros Pastores e a outros, Mestres…”

Por quê? “… a fim de aperfeiçoar os santos para a obra do ministério; para a edificação do corpo de Cristo, Até que todos cheguemos a unidade da fé e ao conhecimento do Filho de Deus, o varão perfeito; à medida da estatura da plenitude de Cristo”. Efésios 4.11-13.

Deus disse a Moisés que a porta deveria ser sustentada por cinco postes, cinco ministérios, cinco funções: o apóstolo, o profeta, o evangelista, o pastor e o mestre. Estes cinco ministérios se chamam Verdade, nos leva a ela.

Que é o apóstolo? É como o meu polegar que pode tocar o resto dos meus dedos.  O apóstolo acumula as demais funções: de profeta, evangelista, pastor e mestre. Ele alcança todos. Quem é o profeta? É como meu dedo indicador, apontando e dizendo: “Assim diz o Senhor”. Evangelista é o dedo maior, alcançando todo o mundo.

Pastor é o dedo anular, Mestre é o dedo mínimo que pode meter-se nas áres pequenas e pode extrair a verdade. E os cinco dedos formam uma mão, a mão do Deus Vivo. E quando esses cinco ministérios se unem para ensinar a verdade, vejamos o que acontece. Sete resultados.  Versículo 14:

Primeiro: “Para que não sejais mais meninos inconstantes”, ou seja, imaturos.
Segundo: ”levados ao redor”. Seremos estabelecidos.
Terceiro: “Por todo vento de doutrina”, pelo engano dos homens”.

Em outras palavras arraigados e fundamentados; nunca seremos levados por tudo o que ouvimos. E continua: “…pelo engano dos que com astúcia induzem ao erro”.

Quarto: Estes ministérios nos livram do engano.
Quinto: ”mas seguindo a verdade em amor”. Poderemos falar a verdade em amor devido a estes cinco ministérios.
Sexto: “cresçamos em tudo naquele que é o Cabeça, Cristo”. Crescimento constante é o sexto resultado desta verdade.
Sétimo: Harmonia.

“Do qual todo corpo bem ajustado e ligado pelo auxílio de todas as juntas, segundo a justa operação de cada parte, recebe o crescimento para edificar a si mesmo em amor.” - Efésios 4.16

E aqui estão os sete resultados destes ministérios em sua vida:

Primeiro: Maturidade – verso 14;

Segundo: Estabelecidos na fé – verso 14;

Terceiro: arraigados e fundamentados na verdade;

Quarto: livres do engano; capazes de discernir as palavras – verso 14;

Quinto: capacidade de falar a verdade – verso 15;
Sexto: Crescimento constante. Você vai crescendo no Senhor devido a estes cinco ministérios.
Sétimo: Harmonia e unidade. Deus disse a Moisés: “Quero que ponhas cinco postes sustentando a porta da verdade”, os cinco ministérios da Igreja.
Agora entremos por esta porta.

Uma vez tendo experimentado a Palavra do Deus vivo, que muda a sua vida e o seu coração, você entra no Lugar Santo, no lugar de louvor.

“Deus meu, Tu és o meu Deus; de madrugada Te buscarei. Minh’alma tem sede de Ti, minha carne Te anela numa terra seca e árida onde não há água, para ver o teu poder e tua glória assim como te tenho contemplado no santuário, porque melhor é a Tua misericórdia do que a vida; meus lábios Te bendirão, assim eu Te bendirei. Levantarei minhas mãos em Teu nome enquanto eu viver”,

O lugar de louvor, o Lugar Santo, o lugar onde a alma é saciada, o lugar onde você não tem mais sede. Você desejou esta presença, anelou por esta satisfação e agora, a Palavra de Deus trouxe você para este lugar e você está satisfeito. E o Louvor vem do mais profundo do seu ser.

 

Reflexão por Benny Hinn

 

 


 

 

mesa

A mesa dos pães da proposição, era feita de madeira de acácia coberta de ouro, tinha 0,90 cm de comprimento por 0,45 cm de largura, e 0,65 cm de altura. Quando o tabernáculo era transportado, a mesa podia ser levada em varas que passavam dentro de argolas de ouro nas pontas da mesa.

Havia 12 pães da proposição (sem fermento) sobre a mesa, representando as 12 tribos de Israel e cada sábado, doze bisnagas de pão eram colocadas nessa mesa, simbolizando a provisão de Deus para as doze tribos de Israel.

“Também farás uma mesa de madeira de acácia; o seu comprimento será de dois côvados, e a sua largura de um côvado, e a sua altura de um côvado e meio. E cobri-la-ás com ouro puro; também lhe farás uma coroa de ouro ao redor. Também lhe farás uma moldura ao redor, da largura de quatro dedos, e lhe farás uma coroa de ouro ao redor da moldura. Também lhe farás quatro argolas de ouro; e porás as argolas aos quatro cantos, que estão nos seus quatro pés. Defronte da moldura estarão as argolas, como lugares para os varais, para se levar a mesa. Farás, pois, estes varais de madeira de acácia, e cobri-los-ás com ouro; e levar-se-á com eles a mesa. Também farás os seus pratos, e as suas colheres, e as suas cobertas, e as suas tigelas com que se hão de oferecer libações; de ouro puro os farás. E sobre a mesa porás o pão da proposição perante a minha face perpetuamente.” – Êxodo 25:23-30 

___Tipificação___

 

Os pães da proposição tipificavam Jesus. Ele é o pão que desceu do céu, e todo aquele que comer desse pão, que é o seu corpo, partido na cruz, tem a vida eterna.

"Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo." João 6:51

E todo aquele que comer deste pão jamais terá fome.

“E Jesus lhes disse: eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome, e quem crê em mim nunca terá sede” – João 6:35

 

Os pães sobre a mesa eram sem fermento que simbolizava sem pecado.

 

“Alimpai-vos, pois, do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, foi sacrificado por nós. Por isso façamos a festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da maldade e da malícia, mas com os ázimos da sinceridade e da verdade.” – I Coríntios 5:7-8

___Reflita___

 

Esta mesa dos pães sem fermento nos fala de satisfação:

”Minh alma está satisfeita. Já não tenho fome, Senhor”. E Ele agora é o Pão da Vida. Lembre-se: Jesus disse em Mateus que há perseguição por causa da Palavra. A Moisés Ele ordenou que este pão fosse coberto com aroma de incenso.

O incenso tem um aroma muito doce, mas um gosto muito amargo. Por quê?  Porque Jesus disse o seguinte: “Se sois vituperados pelo nome de Cristo sois bem aventurados, porque o glorioso Espírito de Deus repousa sobre vós.” I Pedro 4.14. Ah, com prazer sofrerei perseguição! Por quê? Porque quero que o Espírito de Deus repouse sobre mim.

A Bíblia diz que ele repousará sobre aqueles que são vituperados e perseguidos. Jesus disse: ”O Espírito Santo vai com vocês, estará em vós”. Porém, em Atos 1.8 diz: “Ele virá sobre vocês”. Mas você somente percebe que ele vem quando sofre perseguição. Os apóstolos eram perseguidos e, no Pentecostes, o Espírito veio sobre eles. Eu pagarei com prazer este preço!  Assim eu O sentirei sobre mim pelo resto dos meus dias.

A Bíblia declara que a mesa dos pães sem fermento – que fala de satisfação – estava encharcada de incenso puro, um aroma delicioso. Quando outros entram em contato com aqueles que estão satisfeitos, sentem um delicioso aroma: o perfume de Cristo está neles.

Mas a perseguição virá por fazer parte desta satisfação. É esta perseguição que leva você à adorar ao Deus Todo-Poderoso.

 

Reflexão por Benny Hinn

 

 



menorah

A menorá, do hebraico מנורה menorah, "lâmpada, candelabro", era feita de ouro batido com sete hastes para segurar as lâmpadas, 1,10 m de comprimento por 0,65 cm de largura. Elas queimavam só o mais puro azeite de oliva. As hastes tinham o formato da flor de amêndoa com botões e pétalas.

“Também farás um candelabro de ouro puro; de ouro batido se fará este candelabro; o seu pé, as suas hastes, os seus copos, os seus botões, e as suas flores serão do mesmo. E dos seus lados sairão seis hastes; três hastes do candelabro de um lado dele, e três hastes do outro lado dele. Numa haste haverá três copos a modo de amêndoas, um botão e uma flor; e três copos a modo de amêndoas na outra haste, um botão e uma flor; assim serão as seis hastes que saem do candelabro. Mas no candelabro mesmo haverá quatro copos a modo de amêndoas, com seus botões e com suas flores; E um botão debaixo de duas hastes que saem dele; e ainda um botão debaixo de duas outras hastes que saem dele; e ainda um botão debaixo de duas outras hastes que saem dele; assim se fará com as seis hastes que saem do candelabro. Os seus botões e as suas hastes serão do mesmo; tudo será de uma só peça, obra batida de ouro puro. Também lhe farás sete lâmpadas, as quais se acenderão para iluminar defronte dele. Os seus espevitadores e os seus apagadores serão de ouro puro. De um talento de ouro puro os farás, com todos estes vasos.” – Êxodo 25:31-39

 

Por ordem de Deus, os sacerdotes tinham que manter o candelabro aceso continuamente.

 

“Ordena aos filhos de Israel que te tragam azeite de oliveira, puro, batido, para a luminária, para manter as lâmpadas acesas continuamente.” – Levítico 24:2 

 

___Tipificação___

 

Jesus como a luz do mundo.

"Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida." João 8:12

 

O Candelabro revelava a presença constante de Deus junto ao povo.

 

“Não extingais o Espírito.” - I Tessalonicenses 5:19

“E as loucas disseram às prudentes: Dai-nos do vosso azeite, porque as nossas lâmpadas se apagam.” - Mateus 25:8

“Porque não há coisa oculta que não haja de manifestar-se, nem escondida que não haja de saber-se e vir à luz.” - Lucas 8:17

___Reflita___

 

A realidade está aqui, a vida está te tocando e, por causa da Palavra, você está sendo iluminado pelo candelabro; a revelação agora é sua. A Palavra produz revelação. O candelabro que brilhava no Lugar Santo fala de revelação. É o resultado da Palavra do Deus Vivo. O azeite que fazia o candelabro brilhar continuamente era a mesma unção do Espírito e da revelação. Oh, como é maravilhoso escutar de Deus quando a Palavra dEle se faz viva em você. Jesus disse: “As palavras que falo são espírito e vida e não são mais algo distante”. Agora, a Palavra começa a te iluminar.

Deus fala com você face a face de coração a coração.  E, devido a esta revelação, algo acontece: a revelação sempre produz algo maravilhoso: Satisfação. Isto mesmo, satisfação.

 

Reflexão por Benny Hinn

 

 



incensario

O altar de incenso ficava bem em frente do véu que o separava o Lugar Santo do Santo dos Santos (Santíssimo). Era feito em madeira de acácia, era quadrado e media 0,45 centímetros de cumprimento, 0,45 centímetros de largura e 0,90 centímetros de altura.

As varas que carregavam o Altar do Incenso também eram feitas de madeira de acácia e revestidas de ouro puro. Esse Altar deveria ser completamente santo, por isso uma vez por ano era feita uma cerimônia de purificação do altar sendo colocado em cada uma das quatro pontas o sangue de animal sacrificado para tirar os pecados do povo.

Brasas retiradas do altar de bronze eram colocadas sobre o altar, sobre o qual era derramado um suave incenso diariamente. O Incenso aromático era feito de 3 especiarias ricas e raras.

“E farás um altar para queimar o incenso; de madeira de acácia o farás. O seu comprimento será de um côvado, e a sua largura de um côvado; será quadrado, e dois côvados a sua altura; dele mesmo serão as suas pontas. E com ouro puro o forrarás, o seu teto, e as suas paredes ao redor, e as suas pontas; e lhe farás uma coroa de ouro ao redor. Também lhe farás duas argolas de ouro debaixo da sua coroa; nos dois cantos as farás, de ambos os lados; e serão para lugares dos varais, com que será levado. E os varais farás de madeira de acácia, e os forrarás com ouro. E o porás diante do véu que está diante da arca do testemunho, diante do propiciatório, que está sobre o testemunho, onde me ajuntarei contigo. E Arão sobre ele queimará o incenso das especiarias; cada manhã, quando puser em ordem as lâmpadas, o queimará. E, acendendo Arão as lâmpadas à tarde, o queimará; este será incenso contínuo perante o Senhor pelas vossas gerações. Não oferecereis sobre ele incenso estranho, nem holocausto, nem oferta; nem tampouco derramareis sobre ele libações. E uma vez no ano Arão fará expiação sobre as suas pontas com o sangue do sacrifício das expiações; uma vez no ano fará expiação sobre ele pelas vossas gerações; santíssimo é ao Senhor.” – Êxodo 30:1-10

Como no altar de bronze, havia chifres em cada canto e argolas e varas para carregá-lo. Neste altar o sacerdote queimava o incenso toda manhã e toda noite e todo ano no dia da expiação os chifres eram ungidos com óleo.

 

"Suba a minha oração perante a tua face como incenso, e as minhas mãos levantadas sejam como o sacrifício da tarde." Salmos 141:2

___Tipificação___

 

O Altar de Incenso revela as orações dos santos.

Suba a minha oração perante a tua face como incenso, e as minhas mãos levantadas sejam como o sacrifício da tarde.” – Salmos 141:2

 

“E veio outro anjo, e pôs-se junto ao altar, tendo um incensário de ouro; e foi-lhe dado muito incenso, para o pôr com as orações de todos os santos sobre o altar de ouro, que está diante do trono. E a fumaça do incenso subiu com as orações dos santos desde a mão do anjo até diante de Deus.” – Apocalipse 8:3-4 

___Reflita___

 

É por isso que antes de entrar no Lugar Santíssimo você vem ao Altar de incenso e O adora. Porém, é revelação. O candelabro – que leva à satisfação, à mesa dos pães que produzem perseguição por causa da satisfação. Que o leva a um lugar maravilhoso, ao lugar glorioso, ao lugar de adoração. E, somente então, ao começar a adorá-lo, é que você pode entrar no Lugar Santíssimo, onde Ele habita.

Deus ordenou a Moisés que este Altar de incenso deveria estar permanentemente aceso para Ele; a adoração deveria elevar-se a Ele: Adorai ao Senhor na beleza da Sua Santidade”. Tremei diante dEle toda a Terra”. Salmo 96.9.

Adoração: o resultado desta satisfação, alimentando-se de Cristo o verdadeiro pão. Estando satisfeito, uma vez que você tem buscado dEle, você O adorará na beleza de Sua Santidade. Quando isto acontece, então você está pronto para entrar no Lugar Santíssimo.

 

Reflexão por Benny Hinn

 

 



veu

Havia um pesado véu que separava o lugar santo do lugar santíssimo (Santo dos santos). Este véu era feito de tecido da mesma cor que os da porta do pátio e o da entrada do Santuário, mas com querubins bordados nele. 

Ficava pendurado por argolas de ouro a quatro postes de madeira de acácia revestidos de ouro, que tinham prendedores de ouro e eram fixados em quatro bases de prata.

___Tipificação___

 

Porém com a morte de Jesus na cruz do calvário, o véu foi rasgado de alto a baixo, abrindo o caminho direto a Deus, através do sangue derramado de Cristo.

“E o véu do templo se rasgou em dois, de alto a baixo.” – Marcos 15:38

Assim, pelo sangue de Jesus, podemos chegar diante do trono da graça, do qual recebemos o perdão e a misericórdia.

Assim como a porta de entrada do tabernáculo era conhecida como “o caminho”, a porta de entrada ao Santo Lugar era conhecida como “a verdade”, a entrada no Santíssimo Lugar era conhecida entre os hebreus como “a vida”.

“Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” – João 14:6

 

 



santissimo

 

Este é o lugar mais interior do Tabernáculo. Logo ao passar pelo véu, adentrando o santo dos santos, podia-se contemplar a arca da aliança. Neste recinto não havia livre trânsito. Era um local absolutamente reservado, onde somente o Sumo Sacerdote entrava uma só vez no ano, no dia do sacrifício da expiação. (Cumprimento ou pagamento da pena, divida, culpa).

Porque naquele dia se fará expiação por vós, para purificar-vos; e sereis purificados de todos os vossos pecados perante o Senhor.” – Levítico 16:30 

O sacrifício da expiação era anual, e se prestava para tirar o pecado de todo o povo durante todo o ano. Nesse dia o Sumo Sacerdote entrava no Santo dos Santos, devidamente vestido para esse fim, levando o sangue das vítimas do sacrifício.

___Tipificação___

Havendo riscado a cédula que era contra nós nas suas ordenanças, a qual de alguma maneira nos era contrária, e a tirou do meio de nós, cravando-a na cruz.” – Colossenses 2:14

 

Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido.” – Isaías 53:4

___Reflita___

 

“Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sombra do Onipotente descansará. Direi do Senhor: Ele é o meu Deus, o meu refúgio, a minha fortaleza, e nele confiarei.” - Salmos 91:1-2

Este é o lugar onde a presença de Deus está.  O lugar secreto onde você habita na presença do Deus Altíssimo, que nos promete: “Ele te livrará do laço do passarinheiro e da peste perniciosa. Com suas asas te cobrirá e, debaixo delas estarás seguro. Ele é escudo, e espada é a Sua verdade”.

E, no verso 10 diz: “Nenhum mal te sobrevirá nem praga alguma chegará à tua tenda.” E diz: “…Porque aos Seus anjos dará ordem a teu respeito para que te guardem em todos os teus caminhos”.

Este é o lugar onde palavras são inadequadas.

“Com minha alma Te desejei de noite, e com meu espírito que está dentro de mim, Te buscarei”. - Isaías 26.9

É aqui, no Lugar santíssimo, onde nos tornamos um com Ele; Tem início a unidade, a comunhão, a intimidade e as palavras se tornam inadequadas no Santo dos Santos.

A Bíblia declara: “…de madrugada Te buscarei…”. Ore para que o Espírito Santo crie tal fome em você para buscar a presença de Deus, desfrutar de Sua glória, para que a tua vida seja revestida pela presença divina.

E este é o lugar onde você entende: “Aquietai-vos e sabei que Eu sou Deus”.

Eu oro para que esta experiência seja tua diariamente.

No portão de entrada fomos reconciliados;
No Altar de Sacrifícios, fomos redimidos;
Na Fonte fomos santificados;
No Candelabro, iluminados;
Na Mesa dos Pães Asmos, fomos satisfeitos;
No Altar de Incenso O exaltamos;
E, no Lugar Santíssimo, O tocamos.

E, quando O tocamos… então, e somente então, O experimentamos.

Salmo 42.7 : “Um abismo chama outro abismo, ao ruído das Tuas cataratas; todas as Tuas ondas e as tuas vagas têm passado sobre mim”. É aqui quando um abismo chama outro abismo. E quando isso acontece? Quando tocamos nEle. A Palavra declara: “Todas as Tuas ondas e as Tuas cataratas têm passado sobre mim”.

Ele começa a revestir-nos e a coroar-nos com as ondas de Sua presença; com Suas ondas de glória; um abismo chamando outro abismo…

 

Reflexão por Benny Hinn

 

 



arca

 

Acesse: A Arca da Aliança

 


 

 

propiciatorio

O propiciatório era um bloco de ouro puro que ficava em cima da arca, era feito numa só peça, sem emendas e sem soldas, totalmente em ouro batido.

Todo ano no dia da expiação, sangue era espirrado no lugar da expiação no tampo da arca mostrando assim como o sangue do sacrifício se relacionava com a misericórdia de Deus.

“Falou mais o Senhor a Moisés, dizendo: Mas aos dez dias desse sétimo mês será o dia da expiação; tereis santa convocação, e afligireis as vossas almas; e oferecereis oferta queimada ao Senhor. E naquele mesmo dia nenhum trabalho fareis, porque é o dia da expiação, para fazer expiação por vós perante o Senhor vosso Deus. Porque toda a alma, que naquele mesmo dia se não afligir, será extirpada do seu povo. Também toda a alma, que naquele mesmo dia fizer algum trabalho, eu a destruirei do meio do seu povo. Nenhum trabalho fareis; estatuto perpétuo é pelas vossas gerações em todas as vossas habitações.” – Levítico 23:26-31 

Era no propiciatório que o sumo sacerdote aspergia o sangue, do cordeiro sacrificial, com seu dedo por sete vezes, no dia da expiação.

“Também farás um propiciatório de ouro puro; o seu comprimento será de dois côvados e meio, e a sua largura de um côvado e meio. Farás também dois querubins de ouro; de ouro batido os farás, nas duas extremidades do propiciatório. Farás um querubim na extremidade de uma parte, e o outro querubim na extremidade da outra parte; de uma só peça com o propiciatório, fareis os querubins nas duas extremidades dele. Os querubins estenderão as suas asas por cima, cobrindo com elas o propiciatório; as faces deles uma defronte da outra; as faces dos querubins estarão voltadas para o propiciatório. E porás o propiciatório em cima da arca, depois que houveres posto na arca o testemunho que eu te darei. E ali virei a ti, e falarei contigo de cima do propiciatório, do meio dos dois querubins (que estão sobre a arca do testemunho), tudo o que eu te ordenar para os filhos de Israel.” – Êxodo 25:17-22

“Falou mais o Senhor a Moisés, dizendo: Mas aos dez dias desse sétimo mês será o dia da expiação; tereis santa convocação, e afligireis as vossas almas; e oferecereis oferta queimada ao Senhor. E naquele mesmo dia nenhum trabalho fareis, porque é o dia da expiação, para fazer expiação por vós perante o Senhor vosso Deus. Porque toda a alma, que naquele mesmo dia se não afligir, será extirpada do seu povo. Também toda a alma, que naquele mesmo dia fizer algum trabalho, eu a destruirei do meio do seu povo. Nenhum trabalho fareis; estatuto perpétuo é pelas vossas gerações em todas as vossas habitações.” – Levítico 23:26-31

Todo o povo esperava do lado de fora do Tabernáculo, ansiosamente para saber se o sumo sacerdote reapareceria, pois este era o sinal de que Deus havia aceitado o sangue da expiação e que os pecados foram cobertos por mais um ano.

___Tipificação___

“Ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos próprios, mas ainda pelos do mundo inteiro” – I João 2:2

 

 


 

azeite

Dos utensílios do Tabernáculo, devemos falar também do azeite da unção, assim como do azeite puro de oliveira e o do incenso.

Falaremos agora do Azeite da Unção.

O azeite da unção era um azeite especial, cuja fórmula foi fornecida por Deus:

“Tu, pois, toma para ti das principais especiarias, da mais pura mirra quinhentos siclos, e de canela aromática a metade, a saber, duzentos e cinquenta siclos, e de cálamo aromático duzentos e cinquenta siclos, E de cássia quinhentos siclos, segundo o siclo do santuário, e de azeite de oliveiras um him. E disto farás o azeite da santa unção, o perfume composto segundo a obra do perfumista: este será o azeite da santa unção. E com ele ungirás a tenda da congregação, e a arca do testemunho, E a mesa com todos os seus utensílios, e o candelabro com os seus utensílios, e o altar do incenso. E o altar do holocausto com todos os seus utensílios, e a pia com a sua base. Assim santificarás estas coisas, para que sejam santíssimas; tudo o que tocar nelas será santo. Também ungirás a Arão e seus filhos, e os santificarás para me administrarem o sacerdócio. E falarás aos filhos de Israel, dizendo: Este me será o azeite da santa unção nas vossas gerações. Não se ungirá com ele a carne do homem, nem fareis outro de semelhante composição; santo é, e será santo para vós. O homem que compuser um perfume como este, ou dele puser sobre um estranho, será extirpado do seu povo.” – Êxodo 30:23-33

Servia para ungir a tenda da congregação, a arca, a mesa dos pães, os utensílios da mesa dos pães, o castiçal, o altar do holocausto, a bacia de bronze, ou seja, tudo do Tabernáculo e seus utensílios.

É também o mesmo azeite com o qual Moisés ungiu a Arão para o Sacerdócio.

As medidas Him equivalem a seis litros e o Ômer equivale a três litros e meio. Era feito de: 3 litros e meio de Azeite, ao qual se misturava 6 quilos de Mirra líquida, 3 quilos de Canela, 3 quilos de Cana Cheirosa, e 6 quilos de Cássia.

“Tu, pois, toma para ti das principais especiarias, da mais pura mirra quinhentos siclos, e de canela aromática a metade, a saber, duzentos e cinquenta siclos, e de cálamo aromático duzentos e cinquenta siclos,” – Êxodo 30:23

O azeite puro

O azeite puro de oliveira era o azeite usado para manter acesas as lâmpadas do castiçal.

Essas lâmpadas tinham a finalidade de iluminar o ambiente todo o tempo, e manter a luz no local santo. Isso quer dizer que onde está Deus não há trevas. O azeite era reposto de forma contínua, de modo a nunca faltar.

Era Arão que cuidava desse azeite e também de repô-lo nas fontes que alimentavam as lâmpadas, isso era feito duas vezes ao dia, manhã e tarde.

“Tu pois ordenarás aos filhos de Israel que te tragam azeite puro de oliveiras, batido, para o candeeiro, para fazer arder as lâmpadas continuamente.” – Êxodo 27:20

 

 



incenso2

O incenso Santo, às vezes chamado simplesmente de “incenso”, dê a confusão com o incenso puro, é uma composição aromática cuja fórmula foi determinada por Deus, com a finalidade de ser usado no Santuário. Esse é o incenso que está ligado ao altar do incenso, no Santuário.

“Disse mais o Senhor a Moisés: Toma especiarias aromáticas, estoraque, e onicha, e gálbano; estas especiarias aromáticas e o incenso puro, em igual proporção; E disto farás incenso, um perfume segundo a arte do perfumista, temperado, puro e santo” – Êxodo 30:34-35

O incenso Santo é composto pelos 5 elementos abaixo:

Estoraque - Resina aromática extraída de uma planta que possui o mesmo nome, mas através de um processo natural, sem sangrias, sem sulcos, sem ferimentos na planta. Essa resina aromática, muito utilizada na fabricação de perfumes, essências concentradas, podia ser obtido através do trituramento dos elementos ou através do processo natural, espontâneo e somente a resina colhida por processo natural poderia entrar na composição do incenso Santo.

Onicha -  Era uma resina obtida com o uso do fogo a partir de válvulas que formam as garras que fecham a concha de alguns moluscos, especialmente os de água profunda.

Galbano - Era uma resina obtida pela tritura das folhas de certos arbustos.

Incenso Puro -  Era uma substância resinosa, aromática, normalmente importado de Sabá.

Sal -  Esse elemento é também um elemento natural, obtido da água do mar por processo de evaporação, está muito ligado ao e à conservação dos produtos.

Esse Incenso era Sagrado e dedicado ao Senhor, e se alguém o usasse era expulso do meio do povo de Deus.

 

 


 

nuvem

Quando foi terminada a edificação do tabernáculo e os utensílios foram concluídos, os construtores levaram tudo a Moisés para que ele verificasse se tudo havia sido construído do modo como ordenado.

Moisés então levanta o tabernáculo, posiciona os móveis nos lugares divinamente designados, aspergindo tudo com sangue e ungindo com santo óleo. Tendo assim dedicado o Tabernáculo ao Senhor as escrituras nos dizem que:

Então, a nuvem cobriu a tenda da congregação, e a glória do Senhor encheu o tabernáculo, - Êxodo 40.34

Daquele dia em diante a nuvem iria guiar a peregrinação do povo de Israel pelo deserto: 

 

“Quando pois, a nuvem se levantava de sobre o tabernáculo, então, os filhos de Israel caminhavam em todas as suas jornadas”. - Êxodo 40.36

 


sangue

O sangue de Jesus nos deu redenção, pelo sangue somos limpos e justificados, ou seja, o sangue de Jesus vertido na cruz, cuida do nosso passado (perdão), presente (limpos) e futuro (justificação)

Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça” – Efésios 1:7

“Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado.” - I João 1:7

“Logo muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira.” - Romanos 5:9

Hoje podemos entrar com confiança na sala do trono pelo novo e vivo caminho que Jesus nos preparou, sacrificando-se por nós. O véu que separava foi rasgado e o acesso à presença de Deus aberto pelo sangue remidor de Jesus, o Cristo! A Ele a glória eternamente.

 

“Mas, do Filho, diz: Ó Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos; Cetro de equidade é o cetro do teu reino.” - Hebreus 1:8

“Cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno.” - Hebreus 4:16

“Ora, a suma do que temos dito é que temos um sumo sacerdote tal, que está assentado nos céus à destra do trono da majestade.” - Hebreus 8:1

“Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus.” - Hebreus 12:2

“Ora, também a primeira tinha ordenanças de culto divino, e um santuário terrestre. Porque um tabernáculo estava preparado, o primeiro, em que havia o candeeiro, e a mesa, e os pães da proposição; ao que se chama o santuário. Mas depois do segundo véu estava o tabernáculo que se chama o santo dos santos,
Que tinha o incensário de ouro, e a arca da aliança, coberta de ouro toda em redor; em que estava um vaso de ouro, que continha o maná, e a vara de Arão, que tinha florescido, e as tábuas da aliança; E sobre a arca os querubins da glória, que faziam sombra no propiciatório; das quais coisas não falaremos agora particularmente.
Ora, estando estas coisas assim preparadas, a todo o tempo entravam os sacerdotes no primeiro tabernáculo, cumprindo os serviços; Mas, no segundo, só o sumo sacerdote, uma vez no ano, não sem sangue, que oferecia por si mesmo e pelas culpas do povo; Dando nisto a entender o Espírito Santo que ainda o caminho do santuário não estava descoberto enquanto se conservava em pé o primeiro tabernáculo, que é uma alegoria para o tempo presente, em que se oferecem dons e sacrifícios que, quanto à consciência, não podem aperfeiçoar aquele que faz o serviço; Consistindo somente em comidas, e bebidas, e várias abluções e justificações da carne, impostas até ao tempo da correção. Mas, vindo Cristo, o sumo sacerdote dos bens futuros, por um maior e mais perfeito tabernáculo, não feito por mãos, isto é, não desta criação,
Nem por sangue de bodes e bezerros, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez no santuário, havendo efetuado uma eterna redenção. Porque, se o sangue dos touros e bodes, e a cinza de uma novilha esparzida sobre os imundos, os santifica, quanto à purificação da carne, quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará as vossas consciências das obras mortas, para servirdes ao Deus vivo? E por isso é Mediador de um novo testamento, para que, intervindo a morte para remissão das transgressões que havia debaixo do primeiro testamento, os chamados recebam a promessa da herança eterna. Porque onde há testamento, é necessário que intervenha a morte do testador. Porque um testamento tem força onde houve morte; ou terá ele algum valor enquanto o testador vive?
Por isso também o primeiro não foi consagrado sem sangue; Porque, havendo Moisés anunciado a todo o povo todos os mandamentos segundo a lei, tomou o sangue dos bezerros e dos bodes, com água, lã purpúrea e hissopo, e aspergiu tanto o mesmo livro como todo o povo, dizendo: Este é o sangue do testamento que Deus vos tem mandado. E semelhantemente aspergiu com sangue o tabernáculo e todos os vasos do ministério. e quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão. De sorte que era bem necessário que as figuras das coisas que estão no céu assim se purificassem; mas as próprias coisas celestiais com sacrifícios melhores do que estes. Porque Cristo não entrou num santuário feito por mãos, figura do verdadeiro, porém no mesmo céu, para agora comparecer por nós perante a face de Deus; Nem também para a si mesmo se oferecer muitas vezes, como o sumo sacerdote cada ano entra no santuário com sangue alheio; De outra maneira, necessário lhe fora padecer muitas vezes desde a fundação do mundo. Mas agora na consumação dos séculos uma vez se manifestou, para aniquilar o pecado pelo sacrifício de si mesmo. E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo, assim também Cristo, oferecendo-se uma vez para tirar os pecados de muitos, aparecerá segunda vez, sem pecado, aos que o esperam para salvação.” - Hebreus 9:1-28
 

 

 

 

 

 

 

 

Livreto: A Casa de Ouro Autor: Jan Rouw   Fotos: Paul F. Kiene

Dic. da Bíblia John Davis

R. B. Y. Scott (Peake4s Commentary on the Bible

Londres e Nova Iorque 1962, sec. 35)

iLúmina

ALMEIDA, abraão – O Tabernáculo e a Igreja  

 

Prateleira

Este é o homem a quem olharei...

0-este-e-o-homem-a-quem-olharei

"Treme da minha palavra...", Isaías 66:1-2

Como isto te parece? O Altíssimo, busca atentamente algo nos homens, algo cujo valor transcende as iguarias dos príncipes desta terra.